Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta à noite

"Mereces todas as coisas boas que a vida tem guardado apra ti!" - Para lembrar

Quinta à noite

"Mereces todas as coisas boas que a vida tem guardado apra ti!" - Para lembrar

"Salta trabalhos"

Uma colega disse-me isto, há uns dias atrás: "tu já trabalhaste em tantos sítios!" 

Eu senti que não estava a receber um elogio. Sentei-me, quase uma leviana! 

Sim, é verdade, eu já trabalhei em muitos sítios. Comecei a trabalhar ainda estava na escola (numa pastelaria), para ter dinheiro para comprar um telemóvel e poder carrega-lo à minha vontade (pois, pode parecer estranho, mas houve uma altura em que as tarifas de comunicações móveis eram mais "altas" e os pais só patrocinavam uma vez por mês!)

Mal acabei a escola, fui para a primeira fábrica, que encontrei. Sai. Eram demasiados químicos e demasiado rotina. Ali não aprendia mais nada. 

Eu gosto de aprender. Por isso, para me manter mais tempo na outra fábrica, fui estudar de noite. Um CET. Andava feliz e, apesar do cansaço, era produtiva. 

A fábrica fechou nesse ano! Porreiro. Com o fim do CET e sem fábrica, podia fazer um estágio profissional e continuar a estudar.  

Lancei-me na licenciatura, mas no final do estágio, não me renovaram o contrato... 

Perdi a conta aos currículos enviados, às entrevistas e às respostas do género: "oh, se está a estudar, o melhor é acabar os estudos. Trabalhar e estudar é muito difícil!" 

Pronto, sem grandes recursos, comecei a saga dos trabalhos por horas: um fim de semana neste café, umas horas naquele restaurante, uns dias em vindimas, umas horas em limpezas. 

O importante? O importante era não estar parada, pois, o dinheiro não me aparece em casa! 

Licenciei-me e continuo com o mesmo lema: o importante é não estar parada! 

Até porque não posso dar-me a esse luxo, mas também não consigo. 

Adoro estar em casa, mas não consigo estar a depender dos outros. 

Sim, já trabalhei em muitos sítios! Não sei porque me tenho de envergonhar disso. Na verdade, sentia mais vergonha, quando estava no desemprego, e tive de depender dos meus pais. 

Hoje é igual. Mal se avizinha o final de um contrato, já eu ando doida à procura de outra coisa. 

O importante é não estar parada!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub