Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta à noite

"Mereces todas as coisas boas que a vida tem guardado apra ti!" - Para lembrar

Quinta à noite

"Mereces todas as coisas boas que a vida tem guardado apra ti!" - Para lembrar

Falamos em parentalidade?

Já tinha iniciado aqui este tema. Na altura, (há pouco mais de um ano) falei da linda relação do meu filho com o pai. Da ligação tão especial que eles tem e que não existe comigo, por variadissimas razões (nem todas expostas nesse post). 

Conclui, nessa altura, (ou melhor: é uma teoria que eu tenho há muito tempo) que os laços criados na base do amor, carinho, dedicação e cuidado são muito mais fortes que os laços criados pelo cordão umbilical.

E porque me lembrei agora disto?

Porque hoje foi autorizada a primeira gestação de substituição. Mas não só por isso...

Por todo o borborinho que existe á volta do tema parentalidade. 

É a minha opinião, sim é! E vale o que vale, sim verdade! Mas o que me parece é que muitas vezes se confunde pais (entenda-se pai/mãe) com progenitores. 

Gerar um ser não é motivo para existir laços emocionais. Pois, é chocante ouvir isso, mas é a verdade. Pai, mãe e filhos é uma ligação que envolve muito mais que sangue, tem de envolver emoções e sentimentos bons, caso contrário que tipo de ligação é?

Adopção... (sim, é aqui que eu quero chegar)

Quando um casal, e posteriormente, um individuo (durante muito tempo, mais facilmente para mulheres) querem adoptar uma criança, geralmente, não é por uma razão de "sangue". 

EU vejo esse acto como um gesto completamente altruista (e só quem tem filhos sabe a loucura que é!) pois é a oportunidade que um adulto dá a uma criança para ter o conforto, a estabilidade e o carinho que são necessários para um bom desenvolvimento. Claro que recebem muito em troca, mas abdica-se de tanto... E eles fazem-no por alguém que não foi gerado por eles (enquanto que aqeueles que os geraram, por algum motivo, abandonaram-nos)

Ora, qual é a diferença entre receber carinho e tudo o resto de um casal heterosexual ou de um casal homosexual? Serem duas pessoas do mesmo gênero? Mas quando as crianças são criadas por uma tia e a avó, também estão entregues a duas pessoas do mesmo gênero... É porque essas pessoas tem uma vida amorosa? E desde quando isso interessa aos filhos (como diz a publicidade: "os teus pais - os unicos que nunca tiveram relações sexuais")? A quem interesa? Aos outros, aos que estão de fora! Aqueles que não conhecem aquela realidade e tem medo do desconhecido, por isso, porque deve ser mais fácil, criticam, repudiam em vez de se informarem. 

Sim existe uma mentalidade muito ligada á Santa Madre Igreja, mas por favor, programem a mentalidade para aquela parte do: "amai o próximo como a vós mesmos!" 

E a todos aqueles que tanto rejeitam a adopção por casais homosexuais, só tenham uma coisinha a dizer-lhes: Adoptem vocês!

Sim, o programa de televisão também influenciou este post, mas eu há muito que queria falar sobre isto. 

Outra coisa que me faz confusão é a obrigação que existe de um homem registar ("assumir") um filho. Vejamos: quando uma mulher quer fazer um aborto, a opinião do outro progenitor não é tida em conta, certo? Ninguém diz á mulher: o pai desse ser quer cria-lo por isso vai terminar a gestação. Isso é impensavél, pois é o corpo da mulher e ela faz o que quer no seu corpo. 

(aviso: eu sou contra o aborto. Fica a duvida: aquele corpo, em formação, não tem direito a fazer o que quer?)

Voltando á base: Se uma mulher não quer um filho pode abortar, independentemente da vontade do pai da criança. Porquê que, legalmente, um homem é obrigado a assumir uma criança, mesmo quando não a quer? 

Sim eu sei que é diferente. Num caso nunca vai existir uma criança, já no outro caso, a criança existe e é necessário evitar que ela se sinta rejeitada. É verdade, deve-se pensar sempre no bem estar da criança. Também é verdade que quando um individuo não quer um filho, não é uma lei, um papel, ou o que seja, que o vai obrigar a querer. Não é porque essa criança tem o seu apelido que vai ter o seu carinho, a sua dedicação, a sua proteção. 

No fundo é só uma questão de não confundir parentalidade com progenitores. 

Ter filhos é amor...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub